top of page

Toxina botulínica - marcas, preço, mecanismo de ação, descoberta





Várias marcas de toxina botulínica estão disponíveis no mercado. É comum o paciente ter dúvidas sobre qual marca escolher, e pensar em qual é a diferença entre elas.


O Botox® é geralmente considerado a marca de referência da toxina botulínica, embora não conste assim no site da ANVISA. Ele é fabricado por um laboratório chamado Allergan®.

No Brasil existem sete marcas autorizadas pela ANVISA:

Botox® (toxina onabotulínica); Botulift® (Neuronox®); Botulim® (toxina letibotulínica); Dysport® (toxina abobotulínica); Nabota® (toxina prabotulínica); Prosigne® (CBTX-A) e Xeomin® (toxina incobotulínica).


Um paciente me perguntou recentemente sobre o “Israderm”. Esse produto é uma fraude, como revelado no Fantástico. Há vários relatos de eventos adversos graves, sua eficácia é duvidosa, e, além do mais, está proibido no Brasil.

O Botox® age enfraquecendo os músculos e pode ser usado para fins clínicos e cosméticos. O carro-chefe do uso cosmético é para o tratamento de rugas e linhas de expressão na face.


Qual deles é melhor?

O Botox® é apenas uma das marcas de toxina botulínica. É difícil estabelecer que o Botox® seja mais seguro ou eficaz que as outras marcas. Existem diferenças mínimas de uso, como o fato do Dysport® ser contraindicado para pessoas com alergia à proteína do leite de vaca, o que não é o caso das outras formulações.

Eu utilizo apenas o Botox®, por ser a formulação mais estudada e para a qual existe maior experiência clínica. Não recebo nenhum tipo de vantagem do laboratório que o fabrica.

As marcas de toxina botulínica não são intercambiáveis. Embora conste igualmente “toxina botulínica A” nas bulas de cada uma, as formulações são diferentes e as doses para o mesmo tratamento variam de acordo com a marca.


De onde vem o Botox®?

Do laboratório, é claro! Essa é uma resposta que um adulto provavelmente daria a uma criança curiosa, como a Kika costumava ouvir.

A toxina botulínica é produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum. Essa bactéria é comum no solo, em plantas e frutos do mar. A toxina pré-formada pode ser ingerida junto com alimentos contaminados e causar uma doença rara chamada botulismo, caracterizado por uma paralisia generalizada potencialmente letal. O C. botulinum é mais frequente em alguns solos, o que explica por que o botulismo é relatado com mais frequência em algumas regiões.


Então, a toxina botulínica é um veneno?

Tecnicamente, sim! Na prática, tudo depende da dose de uso. Estão relatadas várias mortes por ingestão de quantidades exageradas de água (como em competições esportivas), o que hipoteticamente faria da água um veneno. O conceito de potência de uma toxina está relacionado à dose necessária para causar dano. A toxina botulínica é, provavelmente, o veneno mais potente que existe. Um grama de toxina botulínica poderia matar 1,5 milhão de pessoas. Curiosamente, a injeção de toxina botulínica com fins estéticos é um procedimento altamente seguro. O Botox® é usado em doses muito menores que as que causam botulismo, de forma a enfraquecer apenas os músculos sendo tratados.


Como ele funciona?

O Botox® enfraquece seletivamente o músculo, o que pode trazer benefícios cosméticos à área tratada. A maioria das técnicas se presta a corrigir rugas e linhas de expressão. Existem estudos sugerindo que o Botox® também age promovendo a hidratação da pele, fato que seria um benefício secundário. O efeito é sempre temporário e reaplicações são necessárias para manter os resultados.

As indicações clínicas e cosméticas do Botox® são descritas em outro texto, aqui. Locais comuns de tratamento são os “pés-de-galinha” (linhas nas laterais dos olhos) e rugas na testa.

Para os curiosos de plantão, deixo aqui uma referência científica explicando o mecanismo de ação da toxina em detalhes moleculares.


Como ele virou um tratamento estético?

A toxina botulínica foi identificada já no século XIX como causadora de botulismo. Alguém pensou em usar uma dose menor que a que causa intoxicação para paralisar ou enfraquecer alguns músculos específicos. No início dos anos 1980 foi usado para tratar alguns casos de estrabismo; nos anos 1990, começou a ser usado como tratamento estético. Uma oftalmologista canadense chamada Jean Carruthers tratava o blefaroespasmo de uma paciente com a toxina botulínica. Certa vez, a paciente sugeriu o uso da medicação para tratar suas rugas na testa. A médica testou na testa da sua recepcionista e teve ótimos resultados:





Destaque do Instagram da Dra. Jean Carruthers @carrutherscosmetic, que foi a primeira profissional a relatar o uso cosmético da toxina botulínica nos anos 1990.

© Reprodução - Instagram


Qual é o preço do Botox®?

O custo do Botox® para o profissional é altamente variável de acordo com o volume da compra. A Allergan® solicita que os prescritores (médicos e dentistas) façam um cadastro no site, e, se aprovado, a compra é feita por telefone. Liguei em junho de 2022 e obtive a tabela de preços. Compartilho aqui minha planilha no Google Sheets. O preço por unidade varia de R$8,32 a R$14,76. Isso depende do frasco (são vendidos frascos com 50,100 ou 200 unidades) e do número de frascos adquiridos.

A partir disso o profissional colocará os custos operacionais (secretária, aluguel, etc.) e o lucro que pretende ter. Eu sempre achei justo cobrar pelos insumos e acrescentar os meus honorários, da mesma forma como acho justo ter a descrição das peças e da mão de obra quando faço manutenção no meu carro.

O custo do procedimento no estado de São Paulo é altamente variável, podendo custar de R$800 a R$2500. A título de referência, podem ser utilizadas 20 unidades para tratar rugas na testa, o que daria um custo ao profissional de no máximo R$300. Você pode concluir, sim, que é um procedimento altamente lucrativo, mesmo para os profissionais que cobram barato.


É melhor fazer com médico ou com dentista?

Acho injusto fazer reserva de mercado para um procedimento tão seguro. Faça com o profissional que domina as técnicas e no qual você tem confiança, seja ele um médico ou dentista. Dentistas geralmente cobram menos. Não acredito que o procedimento feito por um profissional famoso (i.e. uma médica que tem 500 mil seguidores no Instagram) seja superior ao de um profissional menos conhecido. As técnicas são mais fáceis do que parece e não demandam grande experiência para realizar com precisão.


Para saber sobre as indicações de tratamento cosméticas, informações sobre o procedimento, duração e eficácia, confira meu outro texto, aqui. Tenho outro texto discutindo as indicações clínicas não-cosméticas, aqui.


Commentaires


bottom of page